4 falhas do trabalho manual em processos de recrutamento e seleção

Por terem um caráter decisivo no corpo funcional de uma empresa, os processos de recrutamento e seleção podem ser bastante morosos. Afinal, contratações bem-feitas têm a capacidade de influenciar na produtividade, nas taxas de turnover e retenção de talentos, entre muitas outras variáveis.

Desse modo, quanto mais eficientes forem tais processos, mais perto a organização estará de alcançar o sucesso e se manter em uma boa posição. Contudo, algumas empresas ainda utilizam métodos manuais para contratar novos colaboradores — o que pode gerar falhas e prejuízos.

Acompanhe o post e veja alguns danos que esse tipo de trabalho pode causar.

Problemas nos processos de recrutamento e seleção manuais

Apesar de a tecnologia estar sendo cada vez mais utilizada por empresas de todo o mundo e otimizando, assim, seus mais diversos processos, ela ainda encontra a resistência de alguns profissionais.  

Acontece que a enorme quantidade de planilhas e as ações feitas à mão podem dificultar a execução das funções de setores como o de Recursos Humanos, aumentando o tempo despendido nas tarefas, bem como a necessidade de correções e retrabalho.

Atender demandas burocráticas também pode impedir que os funcionários desse setor se ocupem de planejamentos estratégicos. E, como consequência, comprometer o verdadeiro papel do RH, que é o de gerir e liderar pessoas.

Entretanto, quando se trata de processos seletivos, os erros podem ser ainda mais nocivos ao andamento da empresa. A seguir, listamos alguns problemas que podem ocorrer em recrutamentos manuais. Observe:

1. Falta de organização

Trabalhar com um número excessivo de papéis é algo que a maioria das pessoas não deseja, pois, além de demandar um espaço que por vezes as empresas não dispõem, exige tempo em sua organização. Com a quantidade de trabalho que o setor de RH tem, fica difícil manter tudo em seu devido lugar, organizado e atualizado.

2. Maior dificuldade para tomada de decisão

Com uma pilha de currículos à frente, é praticamente impossível dar a devida atenção a cada um deles, e isso pode afetar a capacidade de observação do profissional encarregado da análise. Dessa forma, tomar as decisões mais coerentes com relação à escolha se torna uma tarefa árdua.

3. Relatórios não maximizados

Por causa da sua natureza detalhista, os relatórios já não têm uma fama muito boa. Quando são apresentados em um monte de papéis ou arquivos distintos, a situação fica ainda mais complicada. Na era digital em que vivemos, não utilizar softwares de gestão em processos de recrutamento e seleção é correr o risco de perder informações importantes.

4. Maior burocracia

Para que seja bem-sucedida, a seleção de novos funcionários deve ser rigorosa. Porém, esse fato pode torná-la exaustiva. O preenchimento de várias fichas, envios de inúmeros documentos, entre outras atividades do gênero, transformam um processo que poderia durar poucos dias em um trabalho de semanas, e até meses.

Por isso, quanto mais tarefas puderem ser feitas por meio da tecnologia, melhores serão os resultados alcançados, pois diminui o retrabalho e agiliza os processos.

Há muitos ganhos com a automatização dos processos de recrutamento e seleção. Além de criar um banco de dados com os candidatos que melhor atendam às exigências da empresa, é possível, por exemplo, realizar avaliações online, criar ações de Employer Branding, gerenciar o fluxo de admissão dos profissionais, divulgar as vagas de forma mais rápida e ampla, etc. Portanto, investir em soluções tecnológicas para obter contratações mais eficazes é o melhor que um RH estratégico pode fazer.

Quer otimizar os processos seletivos em sua empresa e melhorar a sua imagem perante o mercado? Então, assine a nossa newsletter e receba os melhores conteúdos em primeira mão!